top of page

Amanda Roberts, 53, Canadá

Esta é nossa segunda e última entrevista em comemoração ao mês do orgulho gay. Eu tive a curiosidade de saber como uma personagem drag envelhece. Elas permanecem jovens para sempre? Elas amadurecem ao longo dos anos?


Para responder essas perguntas eu conversei com dois dos maiores names do drag no Canadá e Austrália. Nossa conversa esta semana é com a artista de Toronto,

Amanda Roberts.

Photos by @Thats_hawesome


Um ícone dos espetáculos de Drag Canadenses, a Amanda Roberts abriu caminho para outras drag queens e tem entretido platéias cada vez maiores há mais de 30 anos. Ela trabalhou nos palcos e nos bastidores de shows famosos como Queer As Folk, e na produção do Miss Canada Continental (o que considera a maior conquista de sua carreira até hoje) - a Amanda Roberts ofereceu à Só50, uma visão exclusiva de sua experiência do que é envelhecer no setor do entretenimento, que sabidamente promove a juventude como fase ideal da vida.

Amanda diz que "não são muitas artistas que conseguem sobreviver tanto tempo na indústria do drag", mas ela espera que sua longa carreira de sucesso possa servir de inspiração para os que a seguem e curtem o seu trabalho. Se pudesse dar uma orientação para si mesma quando era jovem, ela teria dito "Siga em frente, você está no caminho certo!" Acho que essa orientação é valiosa... a maioria dos jovens na faixa dos 20 anos tem uma noção do que querem fazer na vida, mas precisam daquele incentivo extra para acreditarem em si, em seu talento e obterem sucesso na vida. Quanto à sua sugestão para envelhecer bem e feliz... Novamente, ela responde com objetividade certeira "Mantenha-se ativa, aprenda a se amar e foque nas coisas positivas."

David McCallum, o homem que dá vida à Amanda Roberts, revela para a Só50 que ele teve que aprender a apreciar as experiências que a vida lhe ofereceu. Desde que completou 50 anos, tem vivido de forma mais saudável - mantendo-se fisicamente mais ativo - e "tentando manter distância dos dramas criados pelas pessoas à minha volta, sem deixar que a opinião dos outros me afete".

Quando lhe perguntei qual 'superpoder' adquiriu depois dos 50, sua resposta novamente foi curta e certeira... "a capacidade de identificar pessoas que nos fazem perder tempo". Muitos concordarão que esse superpoder teria sido muito útil na juventude e que teria evitado muita dor de cotovelo.

Em relação ao futuro, o conselho que ele oferece para qualquer pessoa que esteja com dificuldade em aceitar o envelhecimento é "quando achar que a vida está difícil, lembre-se de todos os problemas que você já superou na vida e siga em frente".

A história de vida e dos conselhos da Amanda são uma fonte de inspiração, mas o que realmente a empolga neste momento - assim como a muitos outros profissionais do entretenimento - é o fim do isolamento e a oportunidade de finalmente voltar aos palcos para apresentar o que a tornou famosa "um show de drag tradicional com imitação de personalidades".


Eu diria que Amanda e David aprenderam muito um com o outro ao longo das décadas de convívio e, como disse Georges Braque, "com a idade, a arte e a vida se tornam uma".



compartilhe!

Arros So50

Comments


bottom of page